Porque amo Ho´oponopono
Rubia A. Dantés

Recentemente me vi, no mesmo dia, em contato com 3 pessoas que de forma muito nítida apresentavam o mesmo tipo de comportamento, que vinha de um mesmo padrão...
Era algo completamente oposto ao meu ponto de vista e ao meu comportamento...
Relutei em aceitar que eu tinha aquele mesmo padrão em algum nível... uma vez que conscientemente é algo que não percebia em mim...
Mas não tive outra alternativa a não ser aceitar que alguma memória minha estava atraindo aquela situação que se projetou na minha realidade por aquelas 3 pessoas com o mesmo padrão... em um mesmo dia. Era óbvio demais que aquilo era um reflexo de alguma coisa dentro de mim.

O Ho’oponopono me trouxe muita clareza de como criamos a nossa realidade, ao projetar nossas memórias, como um filme, que traz... pessoas, situações, lugares, como um reflexo, para que possamos ver... o que de outra maneira não conseguiríamos enxergar em nós mesmos.

Passaram-se alguns dias e de novo me vi diante de um mesmo tipo de padrão em pessoas diferentes que... de alguma forma atraí para a minha realidade em um mesmo dia.

Parece que quando nos dispomos a limpar as memórias, elas realmente aparecem para serem liberadas de uma forma que não te deixa nenhuma dúvida que não é o outro... mas algo dentro de você, que está atraindo o mesmo tipo de situação.

Só que dessa vez, a ação daquelas pessoas me parecia exatamente o oposto do meu jeito de ser...
Respirei fundo e fiz todos os passos para que a limpeza acontecesse, mas... o alivio não chegou tão rápido... de alguma forma aquelas situações estavam trazendo à tona memórias que deveriam ter sido muito dolorosas porque, mesmo sem ter consciência do que se tratava, percebi que havia me tornado extremamente sensível e chorava um pouquinho a toda hora...
Não estava mesmo sendo fácil voltar para mim e entender que a ação daquela pessoa, que fora indelicada comigo gratuitamente, era 100% de minha responsabilidade... e para completar me vi de novo durante o resto do dia atraindo o mesmo tipo de reação de pessoas diferentes...
Continuei com o Ho’oponopono até que desabei e fui para o meu quarto chorar... permitindo que aquela torrente de emoção contida em algum ponto dentro de mim, pudesse ser liberada...
Agradeci por aquelas memórias e aquelas pessoas... entendendo que elas traziam uma grande oportunidade de liberar algo de que eu não tinha consciência...

Nos dias que se seguiram me dediquei a concentrar-me na limpeza dessas memórias, sabendo que ali estava uma grande chance de me tornar mais livre e de abrir espaço para novas possibilidades.
Vi claramente essa mudança acontecendo... e do mesmo jeito que veio o caos ele se foi, deixando uma atmosfera de leveza e suavidade.

Hoje acordei com uma clareza... e entendi um pouco mais porque atraímos pessoas que aparentemente tem pontos de vista tão opostos aos nossos...
É que essas memórias que acumulamos desde o início da nossa criação, englobam todo tipo de crença e de verdades, nas quais acreditamos piamente e que já “defendemos” um dia...
Quantas memórias podemos ter, de experiências onde atuávamos em lados opostos...
Lembrei-me de alguma coisa que li recentemente, onde o autor fala que para determinadas energias que se alimentam dos medos, só interessa que você acredite piamente em alguma coisa, para que haja conflito com os que acreditam piamente no oposto... ou algo assim.
Entendi como guardamos através dessas memórias compartilhadas... verdadeiras guerras, onde brigamos o tempo todo com a gente mesmo...
E entendi também porque amo o Ho’oponopono, que vem como uma possibilidade de limpar isso tudo... todas essas memórias... que nos fazem alimentar essa eterna guerra entre vários pontos de vista, crenças, culturas... religiões etc... que nos aparecem fora, mas que na verdade acontecem dentro... no nosso subconsciente, lotado de memórias compartilhadas por todos.

Agradeci profundamente ao Grande Mistério por essas pessoas que se dedicam a nos trazer técnicas como o Ho'oponopono e outras de transmutação... onde podemos vislumbrar a esperança de liberdade acenando no nosso horizonte, trazendo a oportunidade de que a Luz e o Amor sejam... enfim... soberanos.
 

Porque Amo Ho´oponopono - Parte 2

 

Tenho ficado cada vez mais encantada com Ho’oponopono, pela clareza que tem me trazido sobre coisas que antes não conseguia perceber da forma que percebo agora...
Acho que, na medida em que limpamos mais e mais memórias... mais espaço fica para o fluir da Divindade... Você vai limpando as memórias e recebendo a inspiração do que precisa no momento...

Outro dia acordei bem cedo e fiz a Oração da Mornah Simeona, com muita concentração... fiquei falando mentalmente... “Sinto Muito, Te Amo”... e adormeci de novo.
Tive um sonho muito significativo, onde parece que fui bem longe... algo muito antigo...
Mas, depois que me levantei, percebi que “sabia” de algumas coisas sobre as quais vinha pensando ultimamente... e a sensação que tive é que recebi uma informação em bloco sobre tudo aquilo, o que ampliou em muito a minha compreensão...
E isso aparentemente não tinha nada a ver com o sonho... ou tinha tudo... porque aquele sonho também foi muito diferente... não pelo enredo... mas pela força da energia...
Já me aconteceu algumas vezes isso... mas depois que venho praticando o Ho’oponopono isso se intensificou...
Vem tudo de uma vez... e eu sei o que é... por inteiro, e só tenho que trazer para a razão por um caminho de palavras... ordenando e simplificando para que caiba dentro do meu entendimento racional...

Uma coisa bem simples, que fazemos o tempo todo sem nos darmos conta... e que nos mantém criando e recriando as mesmas realidades vezes e mais vezes... acontece quando percebemos alguma coisa se manifestando como um problema.
Venha ele em forma de uma doença... ou um problema financeiro.... um problema emocional ou de relacionamento etc...
Percebemos o problema e nos sentimos incomodados por ele...
A primeira coisa que fazemos é acreditar naquele problema. Você acredita porque o percebe como real... e não teria por que não acreditar em algo que se concretizou em sua realidade... uma vez que os “sintomas” daquele problema são bem visíveis...
Se for uma enfermidade, por exemplo... uma gripe... passo a acreditar, porque estou sentindo todos os incômodos e percebendo os sintomas...
Ao acreditar, geralmente compartilho com outras pessoas... falo para elas que estou com gripe... essas pessoas acreditam e não teriam motivo de não acreditar....

Ao divulgarmos nossos problemas, inocentemente, estamos... além de criar a nossa realidade... fazendo com que os outros nos ajudem nessa criação.
Geralmente contamos para alguém... e para mais alguém... e se for um problema que se repete então... contamos para muita gente... e algumas vezes... muitas vezes para a mesma pessoa, além - é claro - de pensarmos repetidamente sobre aquilo.
Alguns até vão espalhar essa notícia... e muitas vezes pessoas que eu nem conheço vão também acreditar naquilo.

Enfim... ao darmos a alguém a notícia de qualquer problema, estaremos lançando algo sobre o qual não temos mais controle...
Isso acontece tanto para as coisas “ruins”... como para as “boas” mas.... infelizmente, parece que muita gente prefere acreditar e divulgar mais as coisas “ruins”.

Pessoas que adoram ser “vítimas” e se queixar dos muitos problemas, continuam a criar cada vez mais oportunidade de se queixarem... porque problema é o que não vai faltar para elas.

Se isso se dá em nível pessoal, onde relativamente poucas pessoas nos ajudam a criar a nossa realidade, imagina em nível nacional e planetário, com milhões de pessoas acreditando no que está acontecendo com os nossos governantes e com o nosso querido planeta Terra.... ajudando assim a manter cristalizada o que se costuma chamar de realidade de consenso...

Quantas vezes nós lembramos e comentamos coisas que aconteceram faz muito tempo... e "acreditamos nelas", contando sobre elas com clareza de detalhes, porque ficaram marcadas na nossa memória. Essas memórias brotam aleatoriamente, trazendo coisas de um passado próximo ou remoto e alimentado a continuidade da criação daquilo a que se referem.

A partir do momento em que acreditamos que algo é verdade e passamos ao outro essa informação... alguém... em qualquer lugar.. em qualquer tempo, pode se lembrar daquilo e dar mais um pouco de vida àquela criação...

Agora... quando imaginamos que qualquer problema se manifestando pela primeira vez nessa nossa realidade, só apareceu porque vem de uma memória bem mais antiga, que pode vir até... do inicio da nossa criação, fica bem fácil perceber porque é impossível, para a nossa mente racional, saber onde está a causa dos problemas... e entender porque não podemos resolvê-los de forma linear.

Entendi um pouquinho mais desse caminho, no qual continuamos criando a nossa realidade e classificando-a de “bem” e “mal”.... mas entendi principalmente que tudo isso faz parte de um passado já vivido e revivido... muitas e muitas vezes...
Quase nunca estamos “novos” para uma experiência, uma vez que já chegamos nela carregados de memórias que nos fazem ter apego ou aversão a determinadas coisas...

É bom estarmos limpos de qualquer registro de experiências passadas para que não nos prendamos a elas... não é mais hora de reviver coisas que já vivemos, por melhores que nos tenham parecido... nem de evitar outras por piores que nos tenham parecido...
O “bem”... o “mal”... apego ou aversão, nos mantêm presos à dualidade, nos impedindo de estar inteiros no presente.

Estamos numa época em que nos é exigida total disponibilidade para receber as novas possibilidades que chegam com o Novo Tempo... receber sem interferência de medos ou preferências...
Simplesmente receber por inteiro... com Amor

Por isso amo o Ho’oponopono, e tudo mais que venha como possibilidade de limpar todas essas memórias... pelo fluir da Divindade...
 


Oração criada por Morrnah Simeona "guardiã do segredo”

“Divino Criador, pai, mãe, filho em um...
Se eu, minha família, meus parentes e ancestrais lhe ofenderam, à sua família, parentes e ancestrais em pensamentos, palavras, atos e ações do início da nossa criação até o presente, nós pedimos seu perdão...
Deixe isto limpar, purificar, liberar, cortar todas as lembranças, bloqueios, energias e vibrações negativas e transmute estas energias indesejáveis em pura luz...
 

E assim está feito”.
 


Rubia A. Dantés é Designer, cria mandalas e ilustrações em conexão...
Trabalhos individuais e em grupo, com o Sagrado Feminino, o Dom e o Perdão...
Clique aqui e visite seu site,
medite on-line e conheça suas mandalas.
Email: rubiadantes@globo.com

Fonte: http://somostodosum.ig.com.br/conteudo/conteudo.asp?id=7037

Gostou! Indique para seus amigos

 

|Topo da Página|   -   |Voltar Menu  Ho’oponopono|   -    |Voltar Home|