Porque amo Ho´oponopono - Parte 3
Rubia A. Dantés

Não defina quem você é porque você pode acabar acreditando... e realizando isso...
Se alguém te pergunta quem você é... as coisas que gosta e não gosta em você física e emocionalmente... suas características mais marcantes... sua reação a determinadas coisas e situações... você buscaria na memória e saberia o que responder...

Buscaria na memória...

Se te perguntassem como você reagiria se tivesse que acordar bem cedo... você saberia.
Se te perguntassem que cor você mais gosta... você saberia
Que comida você prefere... que músicas... Enfim, poderia responder a uma lista infindável de itens sobre você mesma(o)...

Parece que já somos tão definidos que nem ousamos estar no presente... para não correr riscos... quase nunca nos damos a oportunidade de experimentar o presente, porque já respondemos a ele buscando na memória o que supostamente “somos”... “gostamos e não gostamos”... Já temos prontas reações para as muitas situações do dia-a-dia... armazenadas na memória... agimos... ou melhor, reagimos à vida baseados no nosso sistema de crenças.
Aprendemos a “aprender” tantas coisas para facilitar o nosso dia... aprendemos que quanto mais definidas tivéssemos as coisas, melhor poderíamos “enfrentar” a vida.
Quantas vezes já ouvimos essa palavra, “enfrentar” em relação à vida... como se viver fosse algum tipo de luta.

Ao entrar na vida armados com tantas crenças... nós literalmente estaremos tão somente enfrentando a vida, usando como escudo essas memórias acumuladas.
A cada dia... antes mesmo de abrir os olhos... nós lembramos quem supostamente “somos”, e vestimos essa armadura, que vem acompanhada do que gostamos ou não... e de todas as características que definimos para nos mesmos... que atuam consciente ou inconscientemente o tempo todo.
E assim... armados, vamos ao longo do dia... excluindo ou defendendo coisas sem nos darmos conta de que... o que defendemos são memórias de experiências já vividas... já passadas... e quase nunca estamos limpos e abertos para receber o presente.

A vida só é luta quando entramos nela armados de crenças que não deixam nenhum espaço para o “Vazio”.
Nenhum espaço para o fluir da Divindade que nos supre de todas as coisas boas no momento presente, sem que para isso precisemos armazenar nada... e nem fazer nenhum esforço.
Do Vazio a Inspiração Divina nos guia...
A partir do momento - que é chamado de “queda” - onde o Homem deixou de confiar somente na Divindade e passou a acreditar que ele também poderia e deveria controlar os acontecimentos e tomar as decisões usando a razão... ele começou a trazer as experiências de um relacionamento para o outro... de uma vida para outra... guardando na memória. Começamos... e continuamos a acumular as memórias porque acreditamos que isso daria segurança, afinal... se o ego escolheu ter o controle, quanto mais informação guardada tivesse, melhor seria...
E foi assim que o confiar na Divindade foi sendo, cada vez mais, substituído pelo confiar em nossas (do ego) próprias escolhas e decisões... Até que as memórias foram tantas e tantas que ocuparam o espaço do Vazio...
E houve até quem se esquecesse que existia uma “outra” possibilidade de manifestação e de criação que não fosse essa de buscar na memória e reviver coisas...

Quase ninguém se lembrava mais da Inspiração Divina... do Vazio...

Acho que o “paraíso” seria o estado de consciência onde confiamos plenamente que O Grande Mistério nos provê de tudo, natural e simplesmente... sem que nem precisemos pensar sobre isso... Não precisamos nem “querer” porque tudo que é para a nossa felicidade real, se manifesta sem esforço, a tempo e à hora.
Essa confiança é uma entrega Total... porque sabemos que na conexão com a Divindade está a chave do “paraíso”, onde somos recipientes vazios para o fluxo continuo das bênçãos do Criador.

Por isso amo o Ho’oponopono que vem como uma possibilidade preciosa de limpar essas memórias que nos limitam e não permitem que o fluxo da Divindade seja constante...

Abaixo o Ho’oponopono segundo o Dr Len
Extraido da homepage www.hooponopono.org
Traduzido por Suzana Guimarães em dezembro de 2006.

“Problemas podem ser resolvidos sem que realmente se saiba o que esta acontecendo! Me dar conta e apreciar este fato representa grande alivio e alegria para mim.
Solucionar problemas, parte do objetivo da existência, é do que trata a Identidade Própria Ho’oponopono. Para solucionar problemas, duas perguntas devem ser colocadas: Quem sou eu? Quem esta no comando?

Apreender a natureza do Cosmos tem inicio com o insight de Sócrates: “Conhece-te a ti mesmo”.

“Memórias revividas ditam o que a Mente Subconsciente experiência”.

“A Mente Subconsciente experiencia através da imitação, ecoando as memórias revividas. Ela se comporta, vê, sente e decide exatamente o que as memórias ditam. A Mente Consciente também opera, sem conscientizar-se disso, através de memórias revividas. Elas ditam o que a Mente Consciente experiencia, como pesquisas demonstram”.

“E crucial no processo de resolução de problemas, nos darmos conta de que o corpo e o mundo não são problemas por si mesmos, mas os efeitos, conseqüências, de memórias revividas na Mente Subconsciente!
Quem esta no comando?”

“O Vazio é a base da Identidade Própria, da Mente, do Cosmos. É o estado precursor da infusão de Inspirações que são geradas na Divina Inteligência e enviadas para a Mente Subconsciente”.

Tudo o que cientistas sabem sobre o Cosmos originou-se do Vazio, e retornará ao Vazio de onde veio. O universo começa e termina com zero.
Charles Seife, ”Zero: A Biografia de uma Idéia Perigosa”

Diagrama I – Identidade Própria
O Estado do Vazio


“Memórias revividas tomam o lugar do Vazio da Identidade Própria, impedindo a manifestação de Inspirações. Para remediar esta situação, para restabelecer Identidade Própria, memórias precisam ser transformadas em Vazio, através da transmutação feita pela Divina Inteligência.”

“Limpe, apague, apague e encontre seu próprio Shangri-la. Onde? Dentro de você.” Morrnah Nalamaku Simeona

“A existência e um presente da Divina Inteligência. E o presente e dado com o único objetivo de restabelecer Identidade Própria através da solução de problemas. Identidade Própria Ho’oponopono e uma nova versão de um processo ancestral de solução de problemas havaiano, de arrependimento, perdão e transmutação.

“Ho’oponopono envolve a total participação de cada um dos quatro membros da Identidade Própria: Divina Inteligência, Mente Superconsciente, Mente Consciente e Mente Subconsciente – trabalhando juntas como uma unidade. Cada membro tem sua própria parte e função.”

“Identidade Própria opera através de Inspiração e memória. Apenas um deles, memória ou Inspiração, pode estar no comando na Mente Subconsciente em um dado momento. A Alma da Identidade Própria serve apenas a um mestre de cada vez, habitualmente a memória, o espinho, ao invés da Inspiração, a rosa.”


 

“O Vazio e o ponto comum, o fundamento, o equalizador de todas as Identidades Próprias, “animadas” e “inanimadas”. É a fundação indestrutível e atemporal de todo o cosmos, visto e não visto.

As memórias revividas tomam o lugar do fundamento da Identidade Própria, afastando a Alma da Mente de sua posição natural, o Vazio e o Infinito. Ainda que as memórias possam tomar o lugar do Vazio, elas não podem destruí-lo. Como pode o Vazio ser destruído?

A Mente Consciente pode iniciar o processo Ho’oponopono para liberar as memórias, ou pode ficar ligada a elas, com culpa e pensamento.”

Diagrama 4 – Identidade Própria Ho’oponopono (Solução do problema)


Arrependimento e Perdão


1. A Mente Consciente inicia o processo de solução de problemas Ho’oponopono, o pedido a Divina Inteligência para que transmute as memórias em Vazio. Ela reconhece que os problemas são as memórias sendo revividas na sua Mente Subconsciente; e que elas são 100% responsáveis por isso.

2. O fluxo descendente do pedido em direção a Mente Subconsciente gentilmente movimenta as memórias para transmutação. O pedido então sobre para a Mente Super Consciente, oriundo da Mente Subconsciente, e

3. A Mente Super Consciente examina a solicitação, fazendo as mudanças que forem apropriadas. Por estar sempre ligada a Divina Inteligência, ela tem condições de examinar e fazer mudanças. O pedido é então enviado para cima, para a Divina Inteligência, para revisão final e consideração;

Diagrama 5– Identidade Própria Ho’oponopono (Solução do problema).
 


Transmutação pela Divina Inteligência


4. Apos analisar a solicitação enviada para cima pela Mente Super Consciente, a Divina Inteligência mando energia de transmutação para a Mente Super Consciente;

5. Energia de transmutação flui da Mente Super Consciente para a Mente Consciente;

6. A energia de transmutação flui da Mente Consciente para a Mente Subconsciente. A energia de transmutação primeiro neutraliza as memórias designadas. As energias neutralizadas são então liberadas para armazenamento, deixando um vazio.

Pensamentos e culpa são memórias revividas. (veja Diagrama 3)
“A Alma pode ser inspirada pela Divina Inteligência sem se dar conta do que está acontecendo! O único pré-requisito para Inspiração, criatividade Divina, é que a Identidade Própria seja Identidade Própria. Ser Identidade Própria requer a limpeza incessante de memórias.

Memórias são companheiros constantes da Mente Subconsciente. Elas nunca deixam a Mente Subconsciente para sair de ferias. Elas nunca deixam a Mente Subconsciente para se aposentar. As memórias nunca param seu incessante reviver!”

“Para acabar com as memórias de uma vez por todas, elas devem ser limpas, reduzidas a Vazio, de uma vez por todas.”
 


Rubia A. Dantés é Designer, cria mandalas e ilustrações em conexão...
Trabalhos individuais e em grupo, com o Sagrado Feminino, o Dom e o Perdão...
Clique aqui e visite seu site,
medite on-line e conheça suas mandalas.
Email:
rubiadantes@globo.com

Fonte: http://somostodosum.ig.com.br/conteudo/conteudo.asp?id=7037

Gostou! Indique para seus amigos

 

|Topo da Página|   -   |Voltar Menu  Ho’oponopono|   -   |Voltar Home|